sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Último CAFÉ FILOSÓFICO do ano em GUIMARÃES

4 Dezembro - 5ª feira - 21:30
 

CAFÉ ÓSCAR
 (Rua Dr. José Sampaio, n.º 5 - Junto ao S. Mamede)
 
Mais um desenvolvimento da parceria com a
 ASSP - Associação de Solidariedade Social dos Professores - Delegação de Guimarães.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

As tuas ideias pertencem-te?

 

O livro que levei comigo era um...
Mas o que nos acompanhou durante a sessão foi outro, que pelas mãos da Lígia nos chegou da Biblioteca: O que é o Saber?, do professor Oscar Brenifier editado em Portugal pela Dinalivro.

 
Escolhemos trabalhar o separador Ideias e a primeira pergunta - As tuas ideias pertencem-te?
A Lígia experimentou comigo o papel de facilitadora de uma sessão de Filosofia para Crianças, o Gonçalo ajudou na escuta do essencial e sua anotação no quadro.
 
A Lígia rapidamente percebeu que tinha que perguntar o porquê das respostas afirmativas e das negativas.
As nossas ideias pertencem-nos porque saem da nossa cabeça, nós construímo-las com o nosso cérebro e, se nos dão a ideia ela é nossa, foram as justificações apontadas.
(As variantes a este sim foram o não e um mais ou menos que tinha dificuldades em posicionar-se numa das anteriores por verificar que há situações em que a ideia é nossa (partiu de nós, da nossa cabeça) e outras em que, partilhada, passa a ser de uma equipa ou de um grupo.)
 
Ora, observando esta última justificação e a situação da equipa que recebe uma ideia de alguém, a Lígia e eu resolvemos passar a uma segunda pergunta: o que te põe as ideias na cabeça?

Os sentidos,
um livro,
outra pessoa,
um tablet e a internet,
as proteínas e a força sanguínea,
perguntas,
Filosofia e disciplinas,
brincar,
actividades,
crescimento
(João- À medida que crescemos vamos sabendo mais coisas, ficamos como mais ideias.
Pára tudo: Gonçalo - Isso quer dizer que os mais crescidos são mais inteligentes do que os menos crescidos?! Claro que não!  O João esclareceu: - Ficamos a saber mais coisas, mais matemática, mais palavras, mas podemos não ficar mais inteligentes.),
discutir e conversar,
e a hipnose
(se bem  que o Diogo queria caracterizar aquelas situações em que ficamos UAU!!, boquiabertos e pasmados com algo. São situações emocionantes e ficamos com aquela ideia na cabeça. O grupo reviu o conceito e sugeriu espanto. O Diogo aceitou a sugestão.).
 
Foi tão fácil concluir como ouvir o toque de saída: grande parte das nossas ideias (senão a maioria ou mesmo a totalidade) vêm de coisas, pessoas ou situações fora de nós, por isso uma das primeiras ideias avançadas - saem da nossa cabeça - ganhou uma dimensão bem mais restrita!
 
 

 
 
Grata a todos pelo empenho!!

Ouçamos a Francisca: ideias maiores, melhores e mais grandiosas!

FILOSOFIA COM CRIANÇAS - 1º CICLO - COLÉGIO EFANOR
 
Depois de 2 meses de sessões, chegou a altura de indagar:
A resposta da Francisca foi a escolhida para análise.
"Maiores, melhores e mais grandiosas. "
Porquê? Como? Exemplos? O que acontece?
 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Filosofia no Pré-Escolar - ÉS UMA PESSOA TOTÓ? ÉS TRAQUINAS OU NÃO ÉS?

Agrupamento de Escolas S. Miguel de Nevogilde, Porto.
Pré-escolar:  grupo dos 5 anos.

O estímulo desta semana foi uma pergunta: O QUE É CONHECER UMA PESSOA?
Depois de 10 minutos o grupo acordou numa possibilidade: É SABER COISAS SOBRE ELA, COMO É POR FORA E POR DENTRO.
 
Então, QUE PERGUNTAS PODEMOS FAZER PARA CONHECER ALGUÉM? (A Lara lembrou que já nos conhecemos há muito tempo. Se calhar era boa ideia alguém sair, voltar a entrar e fingir que não o conhecemos.)

Excelente! Fui o escolhido: lá saí e coberto pelo véu do desconhecimento voltei a entrar na sala.
O grupo iniciou o questionamento:Qual o teu nome?; Quantos anos tens?; És uma pessoa boa ou má?; És mentiroso?; Onde vives?; És tio ou pai?; És um ladrão?; Vives no Porto ou no Brasil?; És sonâmbulo?; Voas ou não voas?; Já viajaste para longe?; És traquinas ou não és?; Andas debaixo de água?; És rico ou pobre?; És uma pessoa totó? ; Andas de prancha?; Transformas-te em peixe?
Concluída a inquirição, consideraram que já saber coisas importantes sobre mim, de dentro e de fora.
 
Concluímos a sessão preparando a próxima: QUEM GOSTAVAS DE CONHECER?
Eis as respostas a partir das quais retomaremos a investigação na próxima semana: Uma pessoa que voasse e ficasse sereia à noite.; Uma pessoa que se portasse muito bem., Os cães da minha tia.; Uma pessoa que nade muito bem.; Uma sereia que cantasse muito bem.; Uma pessoa da televisão.; A minha avó.; Todas as pessoas do mundo menos as que já conheço.; Um super herói.; O chefe do mundo.
Continua...

Café Filosófico no Colégio Efanor

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO
com Pais e Encarregados de Educação
 

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Qual o estado do teu coração?

Na sessão passada o grupo do 4º ano estava entusiasmado com um texto lido e relido na aula de Português, tanto que quiseram apresentar-mo. Ainda bem, tratava-se de um dos textos de O Inventão, de Manuel António Pina - «Homenagem aos Pés».

Realizaram-se perguntas a partir do texto (e não sobre o texto) e elegeu-se a mais interessante, que, neste caso, levou a comunidade de investigação a uma bela sessão:
«O Inventão será deficiente?»


Foi hora da competência filosófica da clarificação: o que é ser deficiente?
As diferenças entre ser doente, ter uma doença muito grave e ser deficiente estabeleceram limites entre os conceitos mas não foram capazes de uma definição coesa de deficiente. Não obstante o grupo distinguir/ conhecer alguns tipos e origens de deficiência.
Acabámos por nos dirigir para a questão da felicidade - Pode alguém deficiente ser feliz?

E é neste ponto, com um Não convicto  dos participantes, que passamos para a sessão de hoje. A visualização da curta-metragem Cordas deu o mote de entrada.

Pedida a moral da história, numa frase simples e directa, aparece a felicidade de alguém, não dependendo (pelo menos em exclusivo) das sua incapacidades físicas ou mentais.

«A amizade une as pessoas, como as cordas e as pontes.»
«A amizade faz as pessoas felizes.»
«Devemos ajudar as outras pessoas.»
«Quando imaginamos podemos ficar felizes.»

Abaixo ficam algumas perguntas para uma entrevista imaginária a alguém com deficiência:



Obrigada pelo envolvimento de todos!

Dia Mundial da Filosofia - 20 Novembro


Por iniciativa da UNESCO, a terceira quinta-feira do mês de Novembro é dedicada à Filosofia.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

O que se faz em Filosofia?

O 4º ano colocou no quadro os verbos que fazem as nossas sessões de Filosofia.
Melhorar; Comentar; Explorar; Descobrir; Respeitar; Aumentar (o pensamento); Participar, Agrupar; Perguntar; Responder; Esperar; Ouvir; Comentar; Pesquisar; Descobrir e todos os verbos que a seguir podem ver encheram a lousa.
 
 
Espontaneamente, a comunidade de investigação começou a ligar os conceitos que as palavras expressam. Então, cada participante escolheu três verbos e explicou ao grupo qual a conexão entre eles.
 
Em seguida, tratou-se de mudar o meio de comunicação, de transformar o que está em letras e palavras em imagem. Quem observar o desenho realizado deve conseguir saber a que verbo se refere.
 
Agora é a sua vez: que verbo atribuiria a cada desenho?
 
(Copiar)
 Não resisti a perguntar ao G. se copiar é bom ou mau e se é representativo das sessões de Filosofia. Ele pensa que copiar é algo de mau porque não estamos a usar a nossa mente, mas apenas a usar o que o outro pensou: não aprendemos. Em Filosofia às vezes acontece, quando a professora pede para escrever uma palavra ou uma frase e quem está ao lado vê e escreve a mesma.

(Ler e Escrever)
(Pensar, Responder)
(Ouvir, Esperar)
(Perguntar) 
(Esperar, Participar)
(Aumentar, o pensamento)